quarta-feira, 27 de maio de 2009

Pais e Filhos I

Tirei o dia pra escrever hoje. Fui ao parque, me sentei num banco e escrevi o que me veio à cabeça. Saiu isso aí hahaha. Não é nada demais, não sou nenhuma escritora, mas dá uma olhada e comenta ;D

É um 'conto' que eu dividi, por enquanto, em 3 partes.. a primeira tá aqui \o
O nome é "Pais e Filhos" - não vou explicar agora, acho que vão entender hahahah
Pais e Filhos I

Lá estava ela, a um passo do fim. Enquanto seus pés estavam inquietos, ansiosos pelo salto final, sua mente permanecia imóvel e impotente frente ao turbilhão de sentimentos em que ela se encontrava naquele momento. Medo, desespero, e uma dor que ela esperava curar dali a pouco.
Não podia mais ver nada à sua frente, sua vista havia ficado escura, enquanto tudo girava. Desfaleceu, mas logo recuperou os sentidos e deu um passo à frente. Pôde sentir o vento gelaaado daquela noite rasgar a sua pele e correr pelas veias congelando os movimentos de seu corpo. "Deve ser melhor assim", pensou.
Mal conseguindo se mexer, virou-se para procurar um papel - não podia partir sem se despedir. Recuou. Revirou suas coisas. As mãos trêmulas de pânico e frio pareciam estar fora de controle. Enfim, encontrou o que queria. Escreveu tudo o que não conseguiu dizer em 16 anos. Tudo muito rápido, tinha pressa. Não podia esperar. Desesperada, então, começou a escrever.
Lembrou-se primeiro de seu pai. Agradeceu por tudo que ele fez por ela: os presentes, os melhores momentos e todos os sacrifícios. Pediu desculpas por todas as vezes que não foi capaz de se controlar num momento de raiva e por tê-lo decepcionado tantas vezes. Por nunca estar satisfeita e exigir o possível e o impossível. Por ser tão inconsequente, ingrata e insensível às vezes.
Depois lembrou de sua avó, e só pôde pensar em agradecê-la por ter nascido e ser tão importante em sua vida. Agradeceu por todas as noites de sono perdidas por causa dela, e pelos mimos. Não pôde conter as lágrimas ao lembrar das várias vezes que não conseguiu, por algum motivo, demonstrar todo esse amor.
Pensou em desistir de tudo, mas ela estava irredutível.
Continuou a carta, então.
Lembrou dos amigos. Agradeceu por todos os momentos inesquecíveis que passou com eles: as risadas, os choros, as brigas, as reconciliações. Pediu perdão por está-los deixando, mas era "uma necessidade, algo que não podia evitar", ela disse.
Pensou em sua mãe e em todas as vezes que ela tentou se aproximar, em vão. Todas as brigas e discussões, os dias que passavam como estranhas sob o mesmo teto e ... Nesse momento ela já não podia escrever mais nada. Sua mão parou, seus olhos ficaram vidrados.


Continua...


E aí?
Beijomeliguem ;*

http://twitter.com/TuaniCarvalho
http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=5189118249137515748&rl=t

2 comentários:

Giucs disse...

Tutti esritora msm! hehe vou esperar pela continuação!

Marcelo Orcioli disse...

Não precisa explicar nada, estou chocado. Enquanto eu lia, via um filme na minha cabeça :O

Você tem talento para isso...
quero muito a continuação!

Beijos

Postar um comentário